Transporte de Resíduos em Sorocaba

Transporte de Resíduos em Sorocaba

Em nosso país, a locomoção terrestre de lixos de maneira certa está regulada pela NBR 13.221. Está lei foi feita com a visão de impor regras para transporte de resíduos em Sorocaba seguro para prevenir estragos ao meio ambiente e defender a saúde pública.

Veja as dicas indispensáveis para prevenir destruições ao meio ambiente e defender a saúde pública com os sete procedimentos tabelados neste post sobre transporte de resíduos em Sorocaba!

Em nosso país existe uma lista de leis extensa e bem tratada sobre questões do meio ambiente, entre as áreas críticas está a locomoção de lixos. É crucial que a empresa obtenha uma experiência considerável sobre normas antes de iniciar o transporte de resíduos, dessa forma evita frustrações futuras.

A locomoção de lixos é um assunto que gera muitas dúvidas para os protetores, criadores e transportadores, pois no Brasil existe uma grande legislação, que além de extensa é confusa, fazendo com que fique um pouco complicada a missão de saber de forma exata o que se pode fazer de maneira legal de um serviço de transporte de lixos.

confira logo mais o que falaremos neste post:

  • transporte de resíduos em Sorocaba da maneira correta;
  • dicas para o transporte certo dos lixos;
  • sistema de gestão de resíduos ajudando na locomoção ideal dos resíduos;

Transporte de resíduos em Sorocaba da maneira correta

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), implantada pela Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, carregou consigo como uma das suas principais ideias (art. 6º, VII) a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

A palavra é definida no artigo 3º, como um “__conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei”.

Desta maneira, as pessoas que estão envolvidas no procedimento devem introduzir normas sustentáveis de serviços e consumos e analisar padrões operacionais específicos com objetivo de prevenir acidentes ou danos para segurança e à saúde pública, como também evitar tais impactos para ao meio ambiente.

Analisando que o período de utilidade do produto envolve uma variedade de fases – começa com o desenvolvimento do objeto ou alimento, a conquista de matérias-primas e elementos, o procedimento criativo, a utilização do produto até ao destino final – uma atenção tem que ser prestada a todas elas, porém, deve dar uma prioridade maior para àquelas que não irão estar sob a vigilância de forma direta dos geradores.

O transporte de resíduos em Sorocaba, um exemplo, por motivos operacionais, em alguns casos, não é feito de maneira direta pelo gerador. Porém, isso não anula a responsabilidade.

Os produtores precisam, ter fornecedores que produzem sempre segundo as obrigações de acordo com as leis.

A lei que impõe os procedimentos de modo geral para a locomoção de lixos sólidos em nosso país é a NBR 13.221. feita pela ABNT e imposta como lei oficial pela Comissão Nacional de Meio Ambiente, ela é a lei que coloca todas as normas para a locomoção de resíduos não perigosos e mostra a direção para as leis que cuidam de lixos específicos.

A NBR 13.221, prioriza regularizar o transporte de lixos de maneira que ele supra as necessidades para o bem ambiental, para a saúde pública e as normas solicitadas de segurança. Entre as primeiras iniciativas da lei é a de que os resíduos devem ser levados com a utilização de ferramentas corretas, de boa qualidade e respeitando às respectivas determinações ao trabalho.

Os produtos tem que estar corretamente conservados para a locomoção, de maneira que não tenha perigo de vazamentos, destruições ou contato com o meio ambiente e das ruas. precisam permanecer distintas, mas a lei impede que o transporte de certos resíduos misturados, como um exemplo, resíduos de consumo dos animais ou humanos, remédios, produtos tóxicos ou de intoxicação ao meio ambiente, tem que ser colocados bem separados.

Outra notificação relatada pela lei é a punição para quem realiza o transporte de produtos que se encontram fora do que o licenciamento do meio ambiente precisa , desta forma, quaisquer serviços deste modo será colocado como transporte irregular.

recomendações para a locomoção certa dos lixos:

Ferramentas específicas

O transporte de produtos tem que ser realizado por utilização de ferramentas de qualidade, respeitando às determinações da lei.

Ferramentas em boa condição

As ferramentas usadas nos serviços de locomoção precisam estar em boa condição de uso, não sendo permitido quedas ou que vaze resíduos.

O padrão das embalagens tem que ser de alta qualidade.

Condicionamento ideal

O lixo precisa estar totalmente protegido de imprevistos e armazenado para que não venha ocorrer espalhamentos pelas ruas no decorrer do percurso.

Imprevistos com a amarração dos sacos devem ser prevenidos a partir dessa mesma observação.

Divisão de resíduos

A lei não autoriza o transporte de certos tipos de lixos juntos: produtos comestíveis, remédios ou mercadorias destinadas à utilização dos humanos ou animais, ou, então, acondicionamentos com a mesma finalidade não devem ser levados junto com os lixos sólidos.

Observação à lei ambiental específica e reconhecimento ambiental

Conforme o tipo de lixo que estará sendo levado, devem ser analisadas:

resíduos perigosos, precisam cumprir as determinações de forma criteriosa. De acordo de cada estado, cada cidade, a legislatura também pode ser ajustada, então, a equipe gestora deve estar ligada ao caminho do caminhão e as as obrigações locais.

É importante relatar também que, todos os percursos precisam estar sendo acompanhadas pelas documentações de controles ambientais enviados pelos órgãos competentes.

Higienização dos equipamentos adequadamente autorizada

A higienização dos equipamentos de transporte, no momento necessário, é um dever do gerador também.

O processo só tem autorização para ser feito em lugares devidamente aprovados pela gestão de controle ambiental. As medidas implantadas também precisa ser submetidas à análise.

resíduos perigosos precisam ir em acondicionamentos seguros e seguidos de ficha de urgência.

Tal regra precisa seguir ao Decreto nº 96044, à Portaria nº 204 do Ministério dos Transportes, às NBR´s 7500, 7501, 7503, 9735, 14619, 13221:2003 e Resolução nº 5232/16 da Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Rolar para cima